Alimentação Escolar Brasileira serve de base para Haiti

Haiti conhece detalhes sobre Alimentação Escolar Brasileira

Qui, 13 de outubro de 2011
ASCOM-FNDE (Brasília) – Uma comissão do Haiti, chefiada pela primeira-dama Sophia Martelly, esteve na tarde desta quinta-feira, 13, no Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE) para conhecer detalhes sobre o Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE). A comitiva busca subsídios para a criação de políticas que combatam a insegurança alimentar no país. “O objetivo da visita é recolher o máximo de informações para permitir melhorias no Haiti”, afirmou a primeira-dama.Ao recepcionar o grupo, o presidente do FNDE, José Carlos Freitas, fez um resumo sobre a atuação da autarquia e sua importância para o fomento da educação básica brasileira, além de citar os principais programas executados pelo FNDE, com destaque para o PNAE. “Esse programa é um dos principais na nossa área de atuação e possibilita que sejam servidas, diariamente, de 130 a 140 milhões de porções de alimentos nas escolas públicas brasileiras”, disse.Freitas também destacou que a experiência brasileira serve de subsídio para a implantação de programas de alimentação escolar em diversas nações, sobretudo na América Latina, Caribe e África. “Em parceira com a Agência Brasileira de Cooperação (ABC), levamos a experiência brasileira a uma série de países, por meio de acordos de cooperação técnica.”

Atualmente, 18 países mantêm acordos de cooperação com o FNDE em torno da alimentação escolar, como Cabo Verde, Moçambique, Timor Leste, Colômbia e Suriname. O intuito é promover a criação de programas específicos em cada país, a partir da realidade de cada nação, mas baseados na experiência brasileira.

Controle – Durante o encontro, os haitianos puderam saber mais sobre os pilares do PNAE, como o atendimento universal na educação básica (45 milhões de alunos) e o controle social sobre os recursos repassados por meio dos conselhos locais de alimentação escolar. “A gente precisa ter uma participação efetiva da sociedade para sabermos o que acontece nos 5.565 municípios do país e nas 190 mil escolas”, citou Albaneide Peixinho, coordenadora-geral do PNAE.

Segundo Albaneide, o FNDE já realizou atividades de cooperação técnica sobre alimentação escolar no Haiti por meio de um acordo assinado em 2005. Agora, ela espera que outro acordo seja implementado com o novo governo do país caribenho, para ajudar no combate à subnutrição que acomete boa parte da população haitiana.

Fonte: FNDE
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s